Na 9ª Sessão Ordinária, realizada na segunda-feira (1), Marcela Maria Torres Nonato, ou Kokay (no idioma Tupi, de seu povo Pankararu), utilizou a tribuna livre para falar sobre o Acampamento "Chico Pitada", no Assentamento Rural 12 de Outubro (no Horto de Vergel), e o trabalho desenvolvido pelas dezenas de famílias que reivindicam terras na área desde agosto do ano passado.

Marcela "Kokay" iniciou sua fala em Tupi, explicando que é filha de benzedeira, bisneta de parteiras indígenas e pertence ao povo Pankararu. Como representante do acampamento, ela explicou que este recebeu o nome de Chico Pitada em homenagem a Francisco Oliveira, um negro escravizado que fundou a Igreja São Benedito em Itapira e levou a Congada para a mesma cidade.   

"Hoje nós estamos aqui pra mostrar que nós temos voz, pra mostrar que não somos bandidos, pra mostrar que nós somos povo de luta. Um povo que merece respeito. Um povo trabalhador. Um povo que cuida da terra e trabalha com a agricultura familiar", disse Marcela, acrescentando que no acampamento há famílias diversas, tanto indígenas quanto não-indígenas, evangélicas e umbandistas, as quais estão reflorestando e recuperando uma área que sofria com desmatamento, caça ilegal, entre outros problemas.

Ainda com relação a preservação ambiental e a emergência climática, a representante disse que o acampamento está trabalhando em projetos juntamente com um ambientalista do Instituto Chico Mendes e com um professor da Unicamp. 

Sobre as terras reivindicadas pelo acampamento, Marcela disse que as famílias defendem que as terras são lotes remanescentes do processo de assentamento ocorrido no Horto de Vergel, no final dos anos 1990. Enquanto a Fundação Instituto de Terras do Estado de São Paulo (ITESP), conforme ela explicou, afirma que as terras são Áreas de Proteção Ambiental (APPs) e não podem servir como assentamento. (Por conta disso, a situação do acampamento está na justiça).

Depois de sua apresentação, Marcela "Kokay" respondeu a perguntas dos vereadores. Entre outros assuntos, ela disse que as famílias trabalham na agricultura familiar, preservando o meio ambiente, e já produzem mandioca, abóbora, feijão de corda, abobrinha, melancia, alface, tomate e verduras para consumo próprio e para comércio.  

Ela então convidou todos a conhecerem o Acampamento "Chico Pitada".

 

 



Mais Notícias

16ª Sessão Ordinária: veja projeto de lei aprovado em segundo turno

Ler a notícia

Toneladas de doações, arrecadadas na Câmara, são enviadas para o Rio Grande do Sul

Ler a notícia