Representantes da Associação Sanquim, entidade voluntária que existe há 10 anos no Município, estiveram na sessão da Câmara de Mogi Mirim na segunda-feira (27/06) para apresentar aos Vereadores os projetos desenvolvidos e solicitar ajuda no recebimento de recursos financeiros para manter as atividades de cunho educacional e que tem como público principal os estudantes de baixa renda.

Este ano, por exemplo, foram abertas mais de 100 vagas do cursinho pré-vestibular à noite e aos sábados para estudantes de famílias de baixa renda se prepararem melhor para os principais vestibulares de universidades públicas, da Fatec e também o Enem.

Ao todo, já foram mais de 2 mil alunos atendidos durante a década de existência da Sanquim. A associação conquistou avanços ao longo desse tempo, como a autorização da Secretaria Estadual de Educação para abertura do Colégio Sanquim, que hoje conta com alunos do Ensino Médio matriculados.

Apesar dos avanços, segundo os professores Newton Alfredo Magalhães e Roberto Magalhães, o Sanquim ainda luta para manter as portas abertas. Por isso, a entidade busca 20 pessoas que possam apadrinhar os seus alunos, contribuindo com R$ 200 mensais durante 7 meses. Com esse dinheiro, a entidade conseguirá manter suas atividades do Colégio e do pré-vestibular até o fim do ano.

 

Lei Rouanet

Os representantes também falaram sobre o Curso Gratuito de Formação Cultural e Emocional através da História da Arte. A formalização deste projeto foi publicada no Diário Oficial da União na edição de 11 de janeiro de 2022 e prevê a arrecadação por meio da Lei Rouanet de R$ 191.892,28.

O programa tem como missão oferecer uma abordagem prazerosa da arte e inclui visitas a museus importantes do País, tendo como público-alvo os professores, especialmente os da rede pública.

Contudo, até o momento, nenhum centavo foi captado para o projeto, sendo que nenhuma empresa acenou com a possibilidade de destinar recursos por meio da Lei Rouanet. “Pedimos o apoio de vocês, Vereadores, para que consigamos alcançar a realização desse projeto”, afirmou o professor João Pedro Ricaldis.

 

Recursos

Ao final da explanação, vários Vereadores se comprometeram com a destinação de emendas impositivas em 2023 e também em colaborar de outras maneiras para que a entidade consiga os recursos financeiros suficientes para se manter e para aumentar o número de alunos beneficiados.

 

Redação e Fotos: Tom Oliveira



Mais Notícias

Alunos do CEBE visitam Câmara e conhecem trabalho dos vereadores

Ler a notícia

Frente Parlamentar da Agricultura e Agronegócio é criada pela Câmara de Mogi Mirim

Ler a notícia