Na 7ª Sessão Ordinária de 2023, nessa segunda-feira (20/03), na parte reservada à tribuna livre, o Secretário Municipal de Esporte, Juventude e Lazer, Wilians Mendes de Oliveira, fez uma apresentação sobre o projeto da Arena Multiuso e respondeu a perguntas dos vereadores. 

De acordo com Wilians Mendes, a construção da arena dará condições de desenvolver no município diversas modalidades esportivas, como judô, taekwondo, ginástica rítmica, tênis de mesa, vôlei, entre outras; assim como atividades na área cultural. O secretário também defendeu o atual projeto e sua localização, devido à questão da acessibilidade e maior facilidade logística. E destacou: “A bandeira do esporte sempre será a parte coletiva, de agregar ações positivas em função de uma melhor qualidade de vida e de uma melhor educação, para nossas crianças e para a população mogimiriana.”

 

QUESTIONAMENTOS

Após a apresentação de Wilians Mendes, os vereadores formularam diversas perguntas para esclarecer mais detalhes sobre o projeto da Arena Multiuso. Confira abaixo algumas delas e as respectivas respostas. 

O primeiro vereador a perguntar foi Tiago Cesar Costa (MDB), que questionou quantos dos "35 espaços públicos" (esportivos) da cidade poderiam ser reformados com o mesmo recurso financeiro. "O senhor já calculou isso pra entender qual seria o melhor caminho, construir a arena ou reformar esses espaços?”

O secretário explicou que a revitalização de quadras em espaços públicos é feita pela pasta de Serviços [Municipais], que é responsável pela zeladoria. Assim como a Secretaria de Educação faz a manutenção das quadras que pertencem às escolas. “Diante do que o senhor me perguntou, onde nós aplicaríamos esses 16 milhões? Na construção de uma arena, de um espaço que Mogi Mirim não tem.” 

Como complemento, Mendes disse: “Sabemos das dificuldades, que temos que reformar, sim, inúmeras praças. E hoje junto com Serviços nós temos um cronograma de trabalho a ser realizado esse ano.”

Em seguida, a vereadora Joelma Franco da Cunha (PTB) questionou sobre a segurança da área que vai ser construída a arena: "De acordo com os técnicos, toda a água do Maria Beatriz desce para o kartódromo e as disposições que tentam fazer na contenção de água não seriam oportunas e seguras."

O Secretário respondeu que uma parte dos R$ 35 milhões será destinada para uma obra de contenção dessa água que desce, o que “dará total segurança para a construção da arena, beneficiando toda a parte da zona sul”.

Já o Vereador João Victor Gasparini (União Brasil) perguntou ao secretário: "Em termos de acessibilidade, quais os planejamentos para atender a todos na arena?"

Wilians Mendes: “Uma grande parte do projeto é para atender esse público. O projeto será de total acesso, não apenas no dia a dia, mas também para oferecer eventos de nível nacional para pessoas com deficiência.”

A Vereadora Sônia Regina Rodrigues Módena (PSD), por sua vez, indagou sobre a capacidade de público da arena, a estimativa de tempo para a construção e se havia referências em cidades vizinhas. Além disso, Sônia Módena perguntou: “Como as crianças carentes dos bairros mais afastados terão oportunidade de chegar ao local?”

De acordo com o secretário, a Arena Multiuso terá capacidade para 2622 pessoas sentadas e, com relação aos bairros mais afastados, o lugar foi escolhido pela facilidade de acesso dos ônibus dos bairros até lá. “Dentro disso, nós temos um programa no esporte, para fornecer transporte para as crianças das áreas mais afastadas, de acordo com a modalidade de esporte." 

Wilians Mendes mencionou a cidade de Santana do Parnaíba como referência, "que hoje é uma das cidades que mais cresce no Brasil". E disse que o tempo previsto para a construção da arena gira em torno de 12 a 16 meses.

A Vereadora Mara Cristina Choquetta (PSB), por seu turno, perguntou sobre a possibilidade de realizar exposições de vários tipos dentro da arena, inclusive aquelas relacionadas à agricultura.

Segundo Wilians, a arena terá um auditório, com capacidade para 150 pessoas, onde eventos, workshops e palestras poderão ser realizados. “Mogi Mirim é uma das maiores produtoras de citros de mesa do Brasil. E a arena poderá ser o espaço para a realização de uma Expo Citros”, disse.

“Por que esta arena não contemplou uma piscina olímpica que a tornaria completa?” Questionou o Vereador Cinoê Duzo (PTB).

O secretário respondeu que a Administração tem um projeto para desenvolver uma piscina na zona leste, na zona norte e na zona sul. Wilians complementou que hoje a cidade tem a piscina do Tucura, que passou por revitalização e recebeu aquecimento, segundo ele. O secretário disse que uma piscina olímpica não caberia no orçamento disponível para a arena.

Já o Vereador Alexandre Cintra fez a seguinte pergunta: “Com o orçamento que a pasta tem, como você vai conseguir colocar a arena para funcionar, porque ela não é só para eventos, ela é também para a formação. Qual o planejamento que você tem na gestão de pessoas, para colocar a arena para funcionar e atender a cidade, principalmente na formação de atletas?”

Wilians Mendes: “Com o orçamento que temos hoje seria impossível, mas já existe uma previsão orçamentária para o ano que vem, que dará condições para atendermos as demandas que a arena vai exigir. Tanto na parte de manutenção, quanto na parte de manutenção e contratação de professores e educadores para desenvolvermos de forma segura, tranquila e digna o esporte dentro da arena.”

Para finalizar, o Vereador Ademir Souza Floretti Junior (Republicanos) questionou qual a estimativa de custo anual para a manutenção da parte física, da estrutura, da arena. De acordo com o secretário, a estimativa prevista para a manutenção, sem os custos de mão de obra, é de R$ 150 mil por ano.

 

 

 



Mais Notícias

12ª Sessão Ordinária: veja o que será discutido e votado na "Ordem do dia"

Ler a notícia

Câmara aprova dois PLs, em turno único, e um PL, em primeiro turno, na 11ª Sessão Ordinária

Ler a notícia